Conforto para salvar o masculino

Vivemos uma crise de precisar de conforto. Ar condicionado, super mercado, compras online, apartamento, colchão 7 molas, televisões com telas gigantes, celulares que pensam por nós…

Por trás disso tudo, se esconde a crise do masculino. A missão do masculino é explorar, proteger, prover, lutar, esforçar… O provedor que permite que a mulher expresse sua missão de nutrir, beleza, delicadeza, amor, curar e espiritualidade. Quanto mais os homens criam estes enormes DIY para as mulheres, menos sua missão de provedor faz sentido então criam-se novos desejos de conforto para que o homem possa seguir provendo. É preciso telas maiores, máquinas mais fortes, frutas geneticamente modificadas, remédios mais poderosos… Criam-se doenças, medos, ideias não naturais para que o homem não perca sua função dentro dos gêneros.

Quanto mais conforto se precisa, maior é o vazio do masculino internamente.

Toma essa.

Como podemos estar vivendo esses tempos? Me pergunto sempre, o que a humanidade fez para merecer tamanha interferência em sua integridade enquanto seres do planeta terra? É algo muito maior mesmo, que acontece no plano dos Deuses ou mesmo do espaço cosmos (sim, me refiro aos alienígenas).

A raíz de tudo? Fazer com que os seres humanos não acreditem nas verdades que lhe fazem um ser deste planeta.

Primeira: a mais básica de todas – ser humano é ser um animal em pura conexão com a terra, seu planeta. A terra é um ser vivo, que respira, tem metabolismo, é capaz de dar vida, alimentar, energizar, purificar, se comunicar e influenciar seus filhos, assim como uma mãe leoa, coelha ou humana. O corpo humano naturalmente precisa estar em contato com a natureza, com água limpa e selvagem direto de um rio, diariamente com fogo e respirando ar puro – terra, água, fogo e ar. Ser humano não é ser humano sem o contato com os elementos primordiais da terra que fazem de nós quem somos. Terra: corpo e matéria, água: emoções, fogo: espírito e ar: mente.

Seguimos: Para sentir-se saudável e verdadeiramente vivo, o ser humano precisa estar compartilhando espaço com outras espécies, especialmente espécies de tamanho ou poder de ameaça semelhante a ele desarmado de tecnologia. Cobras, escorpiões, aranhas, marimbondos, jaguares, crocodilos estão todos aí para fazer você se sentir vivo, alerta, rápido, esperto, acordado. O corpo precisa transitar pela floresta e realizar movimentos disformes e orgânicos de exploração da natureza em estado de atenção para possíveis ameaças. Aos poucos liberta-se o instinto esquecido e cria-se uma confiança no próprio corpo porque é ele que avisa, ele que sente, ele que está em alerta naturalmente enquanto você se diverte com as belas flores e toma um delicioso banho de cachoeira.

Basicamente: ser humano é ser natureza também.

Depois desta verdade escondida, passamos para a próxima. Homens e mulheres são seres totalmente diferentes! Escondemos essa, criamos movimentos inteiros de mulheres em estado suicida defendendo que são iguais aos homens. Dentro de uma sociedade totalmente machista, as mulheres (o sexo dominante há milhares de anos atrás, o sexo capaz de dar a vida, capaz de se comunicar com a terra, que é muito mais forte em seu campo emocional e capaz de amar e curar como um homen jamais poderia) decidem abrir mão de toda sua energia feminina e devagar começam a tornar-se homens, trocar de energia internamente provocando o desequilíbrio energético mais violento na terra. O movimento é compreensível. O sexo dominante quer retornar ao seu posto, porém para que isso seja possível, o mundo precisa mudar para que seja mais feminino e não as mulheres que tem que mudar para adaptar-se ao mundo masculino em que vivemos. Em um mundo feminino é possível a paz de gêneros. Em um mundo masculino tudo que é possível é a guerra. O instinto feminino selvagem reprimido está provocando esta desesperada transformação dentro das mulheres. Não é a toa que vemos um crescimento enorme de pessoas trans na sociedade – é só uma materialização e externalização do que já está acontecendo internamente e energeticamente dentro da maioria das mulheres no planeta. E no fim das contas, o homem também está por se matar porque à partir do momento em que as mulheres assumirem o posto dos homens de protetor, provedor, equilibrado, fisicamente forte, explorador, corajoso e criarem seus reservatórios de sémen, os homens não terão mais função neste planeta a não ser de guardiões da energia feminina. Todos os homens tornarão-se gays.

Próxima verdade escondida: tudo que existe na terra é a matéria. Desconecta-se o homem de seu maior potencial e prazer, a conexão com os espíritos. Arranca-lhe fora a sabedoria de que este mundo é uma combinação de diversas dimensões e nós temos capacidade de transitar por elas, provavelmente por alguma boa razão. Diz-lhe desde o momento que nasceu que magia não existe, que é impossível manipular energia (até porque nem se fala mais em energia), não temos conexão com os elementos, não existe telepatia, não existem os clarisentidos, não é possível mover objetos com a mente silenciosa e focada, não é possível transformar-se em animais, não é realidade atravessar paredes, super poderes só no cinema com efeitos especiais. Você é um pedaço de carne. Cria-se uma proposta de vida CHATA em que deve-se crescer, educar-se para tornar-se parte do sistema, comprar, ver televisão, sair pra beber, usar drogas, fazer turismo, casar, ter filhos e implantar o sistema na cabeça deles também. Cria-se então uma série de objetos que vão influenciar a sua mente o dia inteiro, tornando-a fraca, incontrolável, barulhenta assim como o mundo ao seu redor e que vão diminuir seus poderes, acabar com a sua intuição e te botar pra dormir acordado. Já parou pra pensar o que aconteceria se você parasse de beber, fumar, comprar, sair pra comer, ver televisão e ir ao cinema? O que tem pra fazer? MUITO. Mas lhe disseram que esse muito não existe para que você siga nessa sua realidade de pedaço de carne.

Outra: todos os seres humanos são iguais. NÃO são. Tudo, absolutamente tudo, em cada um, é diferente. Nós somos uma combinação de energia alquimicamente programada pelos nossos chackras. Nossos corpos vem programados perfeitamente para nossas missões. Se o cara nasceu pra nadar, tem mais pele entre os dedos, se nasceu pra cantar, tem uma garganta que abre mais, se nasceu para dançar tem o corpo mais flexível. Todos temos diferentes missões e desejar a missão do outro é perda de tempo. É preciso aceitar que talvez sua missão seja ser padeiro e experimentar o amor pelo pão sagrado e não dono de start-up. A televisão cria um ideia de que algumas missões são melhores que as outras, que você deve desejar sei lá o que pra sua vida… É preciso aceitar que você não nasceu para ser rico, que quase ninguém nasceu pra isso porque riqueza e acúmulo não é natural deste planeta. É só olhar pra outras especies e ver que nenhuma acumula nada.

Por causa da desconexão com a realidade espiritual do planeta, acabaram os rituais de entrada e saída da matéria. Os nascimentos sempre foram feitos pela parteira que não era uma médica e sim uma xamã que fazia a passagem segura da alma pra dentro do corpo, sem isso, outros seres podem interferir com este processo, entrando em corpos e gerando um mundo semelhante daquele de onde os próprios vem. Sim, temos aliens  e demônios em roupas de homens comandando o mundo por aí. Pela mesma causa, a morte tornou-se um processo totalmente solto e não há mais garantia de paraíso. Muitas almas não conseguem fazer a passagem correta e ficam perdidas, vagando por este planeta e por isso vivemos a crise de entidades obsessoras no planeta. Estas entidades se alimentam de energias negativas e provocam pensamentos e sentidos negativos para sobreviver. E não necessariamente foram pessoas más que não podem voltar para sua casa espiritual, pode ser alguém simples, normal como você que simplesmente não teve suporte algum na hora de fazer sua passagem.

Energia elétrica tem vibração masculina e agressiva, ela puxa a energia feminina, outro motivo que as mulheres estão se masculinizando com tanta facilidade. Há uma troca de energia corporal dentro das cidades que não tem natureza para fazer a troca, neutralização e purificação da energia. Por isso as pessoas estão mais agressivas, mais tensas, mais estressadas, mais irritadas. Excesso de energia elétrica, masculina. Entidades também se alimentam desta energia e interagem com os objetos por ela alimentados, especialmente a internet. Elas estão nos tubos, na vibração, nos leds, nas telas… Quando nós nos conectamos – colocamos nossa consciência em um filme, numa tela, num texto, estamos fazendo uma troca de energia natural humana com energia elétrica, sintética, não natural.

E a verdade final que não querem que você saiba: você precisa de dinheiro. Só é preciso dinheiro para viver em um sistema baseado em dinheiro. Nessa terra, se plantando tudo dá. É preciso comprar os legumes uma vez na vida e já se tem o material para plantá-los. É possível produzir tudo que você necessita se lhe for ensinado desde criança a viver em harmonia com a terra. Seu vício em conforto é a única coisa que te separa desta realidade além do seu medo do outro – de quem você vai precisar para viver de maneira sustentável pois solidão é uma necessidade do capital.

O mundo está acabando, acima de tudo, pela falta de consciência das dinâmicas energéticas e espirituais naturais do planeta terra. Ser humano é ser conectado com a terra e seus rituais, seus elementos, seus animais, suas plantas.

E, só pra te lembrar de mais uma mentira que lhe foi dita a vida toda: quem acredita em energia, espíritos, entidades, alienígenas e abundância é maluco.

Toma essa.

Verdade e Vergonha

Recentemente coloquei forte a intenção de curar a expressão amorosa da minha verdade. Uou. Tanta coisa que essa intenção movimenta e atrai pra  minha vida. Pra começar, curar a expressão é abrir o quinto chackra – vishudha – e quando queremos curar um chackra, ou seja, abri-lo e limpar sua rotação, precisamos movimentar a energia estagnada ali que muitas vezes tem a ver com talentos que se escondem nesse centro que estão sendo ignorados, nesse caso, o canto, o humor e a arte. O 5o chackra é muito conectado com o segundo – Swadwistana – o chackra da sexualidade e energia vital criativa. Ele faz a transmutação dessa energia criativa em arte e voz. Depois disso, amorosa, como se expressar à partir do coração e não do julgamento, do querer ter razão, da carência, da necessidade de atenção… Como colocar aquilo que desejamos expressar de maneira que gere conexão e empatia entre duas pessoas? Como explicar uma visão de mundo tão radicalmente diferente sem ferir a verdade do outro? E finalmente, a verdade. Uma busca de uma vida pela verdade da vida, verdade do Universo, verdade do amor só pode ser embarcada de fato quando optamos pela verdade como valor primordial em nossas vidas. Ou seja, eu expresso exatamente aquilo que sou. Permito que, em determinados momentos, as pessoas me vejam e saibam o que eu faço em meu interior, mesmo que esse fato me envergonhe.

Só que o maravilhoso é que quando decidimos ser totalmente verdadeiros, aparecer vibrando em nossa verdade, com nossas emoções, ideias, luz e sombra a mostra, quando colocamos isso como uma prioridade, inevitavelmente vamos começar a cultivar uma relação de cura da #vergonha. Um pedaço de argila uma vez me ensinou que vergonha também é ego. Quando a nossa mente nos coloca “aquilo que devemos ser” mas nós não damos conta disso, sentimos vergonha. Quando queremos ser algo que não somos, nos julgamos e sentimos vergonha do que somos de verdade. Estamos sempre nos pressionando para ser mais e melhores e tentando fazer com que os outros nos vejam dessa maneira. Lindas, maquiadas, penteadas, salto alto, bem sucedida, magra, dá conta de tudo, rica… Construímos um muro gigante ao nosso redor para que ninguém veja o que está lá dentro. Protegemos nossa verdade como se fosse algo que tivesse que ser mantido em uma torre protegida por um dragão e somente uma pessoa específica, certa, pode a tirar de lá de vez em quando…

Só que se queremos ver a verdade do outro, a verdade do mundo, a verdade dos nossos tempos, precisamos primeiro curar a nossa verdade interior. E quando isso se torna uma intenção – chegou a hora de começar a movimentar isso no meu processo, precisamos desapegar da vergonha e da ideia de quem somos que vem da mente. Passamos a permitir que os outros nos vejam e assumimos apenas a cadeira do observador. Vamos ver o que os outros refletem através de suas reações ao expressar a minha verdade. Desapegamos da vergonha e relaxamos o plexo solar de onde ela vem e, aos poucos, paramos de senti-la. O que acaba trazendo muitos benefícios para o terceiro chackra – Manipura – que é bloqueado pela energia da vergonha.

Incrível então que quando trabalhamos a verdade, acabamos trabalhando nosso poder pessoal também que vem do terceiro chakra que passa a ser desbloqueado quando optamos por limpar nossa vergonha, a ilusão de ter que ser quem não se é.

E aí, tudo começa a acontecer ao seu redor que vai provocar situações que provocam vergonha, sua verdade começa a transbordar e você fica com medo da reação das pessoas, da maneira como os outros vão te ver, nem você nunca se viu tão aberto assim. A verdade começa a aparecer não só nas suas palavras mas nos seus movimentos, no seu olhar, nas suas ações. Você quer ser verdadeiro e fazer o que quer fazer na frente de quem for. Falar o que quer falar, o que está sentindo de experimentar expressar. E os outros passam a ser um termômetro na sua cura. Porque você só vai conseguir ver sua verdade se você permitir que ela saia, inevitavelmente você precisará de espelhos além de você que reflitam essa verdade para que você possa ver a luz e a sombra que estão nela.

Quando queremos curar nossa verdade, precisamos nos preparar para ver coisas que não vamos gostar muito de nós. E reações que não vão nos agradar. Mas também precisamos nos preparar para nos surpreender. Porque é certo que os seres humanos conseguem pressentir verdade e mentira inconscientemente e todos preferem sempre a verdade. Uma verdade mais ou menos é sempre melhor que uma mentira maravilhosa. A nossa espécie se afastou tanto da verdade, nossa sociedade hoje em dia é tão inerentemente construída sobre pilares da mentira, que uma verdade é como um breath of fresh air. Ar fresco. Todos gostam de sinceridade, honestidade e respeito. Quando expressamos nossa verdade estamos respeitando a inteligência alheia. Estamos permitindo que ele seja verdadeiro também. Estamos sendo humildes perante ele. Vulneráveis. Estamos confiando na bondade do ser humanos novamente.

Óbvio que às vezes vamos receber reflexões negativas. Ainda bem porque essas nos fazem aprender. E com o aprendizado vem a cura. Se queremos tocar em uma energia que não mexemos há tanto tempo como a expressão, vamos ter que reaprender a mexer com ela e são os reflexos, positivos e negativos que vão nos ensinar direitinho.

E assim, é só seguir a intuição, sentir o que se quer sentir, permitir-se ser quem se é sem expectativas, assumir a cadeira do observador e desapegar da vergonha e mergulhar com tudo na cura da expressão amorosa da sua verdade.

Os sanskaras – energias do passado reprimidas e acumuladas no coração – vão vir a tona. Vamos ter medo de sermos humilhados, rejeitados, reprimidos como fomos no passado mas aí que está a maior cura porque agora aprendemos a relaxar a liberar essas energias. Tudo que revivemos nos traz a oportunidade de liberar o que não conseguimos liberar no passado. E assim vamos nos curando… Seguindo caminhando…. Rumo ao novo paradigma e novas maneiras de se andar sobre a terra.

Como ter uma árvore amiga

Cada partezinha da grande Alma tem suas propriedades e habilidades de conexão com o campo energético da Terra. Animais estão conectados através do seu instinto, seres humanos são um tipo de animal que além do instinto, se conectam através do seu inconsciente. Hoje vivemos um momento de transição e evolução da espécie onde essa nossa habilidade de acesso está sendo trazida para a consciência, o que desencadeará uma enorme mudança em toda a construção futura da nossa espécie. Nós, assim como as formigas e as abelhas, somos uma espécie construtora e, diferente de todas as outras, somos uma espécie criadora. Acho #chique.

De uma maneira ou de outra, todas as espécies estão em contato direto ou indireto com o enorme animal que habitamos: a Terra. Porém uma espécie tem esse contato profundo através de suas maravilhosas raízes: são as Árvores! As árvores estão aqui há milhares de anos, receberam o privilégio da imortalidade, assim como os Deuses. Elas já viram de tudo. Claro que ver aqui tem um significado um pouco mais complexo do que a interpretação de ondas de luz por um órgão. Elas veem através do seu sentir. São capazes de sentir tudo que se passa no planeta e isso inclui tudo que se passa com você.

Ao se conectar com uma árvore, ela já sabe de tudo sobre você porque ela não precisa das suas palavras para te conhecer, o seu campo energético se mistura com o dela em um momento de conexão verdadeira e assim ela tem acesso a todas suas memórias, crenças, histórias, sentimentos, traumas… Tudo que está no seu campo. Assim ela utiliza toda sabedoria da terra com a qual está completamente conectada para te curar, te ensinar, te limpar e contribuir com o seu poder de atração da vida que você merece viver.

As árvores tem graus de conexão, é claro. Uma árvore antiga, com mais experiência, raízes mais profundas, maior altura e capacidade de conexão também com o céu, inserida em uma antiga floresta, rodeada de fertilidade e energia sexual reprodutora – energia base da natureza, vai ter muito mais amor aos animais que a buscam por diversos motivos. Ela vai ter mais capacidade de acesso a você e a sabedoria da Terra que tem toda sabedoria do Universo. Ela vai estar mais aberta para uma relação de amizade inter-espécie porque vai estar ali, plena na sua função de grande avó, cuidadora da floresta. Uma árvore no meio da rua em Ipanema, rodeada de asfalto, que entra ano sai ano é ignorada, às vezes cortam sua copa porque está atrapalhando a vista de um prédio, tem seu espaço limitado por um quadrado de concreto e é valorizada apenas como parte integrante de uma paisagem, não tem tanta abertura assim para uma relação. Ela mesma, assim como nós, pode ter se esquecido de sua função, tão atarefada está em transmutar o dióxido de carbono abundante em oxigênio. Então uma árvore no meio de uma antiga floresta tem mais capacidade de conexão do que uma de um floresta mais nova, cidade pequena e cidade grande.

Mas isso faz parte do processo de conexão com ela. Uma árvore não doa seu conhecimento assim, de graça. Ela também não cobra valor monetário porque isso não faz a menor diferença na vida dela. Ela vai selecionar seus amigos com muito cuidado especialmente hoje em dia quando confiar nos seres humanos está difícil. Ela entra em contato com seu campo de energia e já sabe de todas as suas intenções ao querer ser sua amiga. E é esse o valor que ela cobra: o seu valor enquanto ser humano. Certamente se você fosse uma formiga, ela não ia exigir tanto de você. Mas a Mãe Terra exige mais de você porque ela te deu tudo que podia dar a uma filha. Ela fez de você sua melhor e mais maravilhosa criação e por isso ela vai esperar que você faça alguma coisa decente com isso. A Mãe Terra espera muito de você, assim como uma boa mãe o faz.

Como provar o seu valor e tornar-se amiga de uma árvore?

A primeira amiga árvore é a mais difícil. Porque você ainda não tem nenhuma amiga árvore em seu campo e ela pode sentir isso, você vai passar por uma série de testes. A chave aqui é disciplina. Quem quer ser amiga de uma árvore vai ter que provar isso sem palavras. Ela entende o que você diz e precisa das suas palavras em alguns momentos, porém a fase de conquista de uma árvore não tem nada a ver com as belas declarações de amor que você pensa que vão a convencer. É só ação e energia com ela. Essa será sua primeira amizade energética. Parabéns!

Quando se quer iniciar uma relação de amizade com uma árvore, é preciso tornar isso uma prioridade em sua vida. Você vai ter que ir ver a árvore praticamente todo dia. Com a primeira, diria que todo dia. Durante meses, lembre-se o tempo delas é muito diferente do nosso. Inicialmente, se apresente. Conte a ela sobre você, suas intenções, justifique que importância tem na sua vida fazer amizade com ela. E assim, passe a amá-la e trate-a já como sua melhor e mais querida amiga. Todos os dias, sente-se de costas encostada nela e compartilhe suas experiências com ela, alegrias e tristezas, abrace-a, chore junto dela, expresse gratidão, você quer essa relação porque você a vê como um ser igual a você. Você não se acha melhor ou pior que ela, você está no mesmo barco que ela. Ela é seu semelhante e ela pode te ajudar no seu processo de tornar-se cada vez mais semelhante a ela. Ela sabe que a humanidade está sofrendo. Ela é boa e quer te ajudar. Mas ela também exige muito respeito e valor. É preciso valorizar essa relação como talvez nunca se tenha valorizado nenhuma outra. E lembre-se, ela já sabe de tudo sobre você, coisas que nem você mesmo sabe! Então seja o mais honesta que já foi em toda sua vida.

Após algum tempo você vai começar a #saber que ela é sua amiga. Você simplesmente sabe. Eu recomendo que você a pergunte seu nome e sinta o que vem. Se esse não for seu nome oficial tudo bem, pra nossa espécie é importante dar nome aos seres que amamos, infelizmente porque isso limita muito nossa capacidade de amar coletivamente, mas tudo bem por hora, ela vai entender. E aí tudo começa a mudar. Você começa a ter ideias que nunca teve antes. Insights sobre sua vida e sobre a vida coletiva difíceis de acreditar mas que fazem muito sentido. Começa a se abrir para coisas que não se abria antes. Sente sua energia mudando, se sente cada vez mais viva e seu campo limpo. Às vezes, perguntas podem ser respondidas imediatamente vindo como uma ideia na sua mente, ou com uma sensação de que você já sabia a resposta dessa pergunta e veio de você mesmo – mas não veio. Outras, ela começa a alterar seu campo energético para que você atraia situações e pessoas que vão te responder o que você perguntou. Cada vez vem de um jeito mas sua vida se torna muito mais rica, desemperrada e livre.

Daqui a pouco a melhor parte do seu dia são as 2 horas de trilha floresta a dentro em direção a ela. Você nem faz mais o esforço inicial. Aquilo faz parte de quem você é, tá no sangue. E não tenha medo da floresta: tá com a árvore, tá com Deus. Ela vai cuidar de você. Nada vai te machucar sob a guarda dela.

A segunda árvore amiga é mais fácil no sentido de que vai levar menos tempo. Já aconteceu comigo no primeiro momento que sentei com as costas encostadas nela com a intenção de me apresentar e começar uma relação, já senti e recebi aprovação. Viva! É uma alegria tão grande ter uma nova árvore amiga. Mas pode levar uma semana, um mês… Depende da árvore e também do esforço que você faz pra ir até ela. Quantas caronas, caminhadas, passos você deu pra estar ali do lado dela e com que frequência faz isso. Basicamente: o quanto isso é importante pra você.

Mas não desanime com as árvores urbanas. Minha primeira amiga foi em plena praia de Copacabana. Eu nem sabia direito o que eu estava fazendo, ela ficava perto de um lugar que eu ia me exercitar todo dia e assim comecei a cultivar essa relação intuitivamente. É um conhecimento ancestral que consegui acessar no meu campo inconscientemente. Você pode recordá-la de sua função, assim como ela fará isso com você.

E assim compartilho a sabedoria que mudou toda minha vida. Bem vinda! As árvores aguardam você!

Alma x EGO

Vimos que o EGO se apropria da função seletora da alma.

A personalidade é o resultado da combinação de todas as informações deste campo energético. A alma é aquela que organiza e seleciona essas informações. Porque uma pessoa pode mudar pra sempre ao ir em um musical na Broadway, decidir tornar-se atriz e jamais retornar para o seu vilarejo enquanto outra pessoa pode ver o mesmo musical e achar monótono? Porque uma pessoa ama comer peixe e outra não pode sentir nem o cheiro? (…) Quem foca, quem faz essa seleção é a alma. É algo que vem de dentro. O que te toca, normalmente é o que toca a alma. A alma então vai selecionando o que guardar e o que deve ser você, a personalidade que vai ser uma interpretação dessas informações durante essa vida.

A alma faz a seleção à partir do seu propósito na terra. Ela vai organizar e escolher as informações ao seu redor que vão moldar a sua personalidade de acordo com tudo que você veio pra realizar aqui. A alma é aquela que vem também com ferramentas especiais para essa missão, o que chamamos de dons. Canto, dança, escrita, capacidade analítica, gosto pela ciência, corrida veloz, ginga no futebol, pele extra entre os dedos para os nadadores, corpo esbelto, corpo forte, corpo cheio, ser hétero, gay, negro, branco. É ela também que escolhe a família e as condições em que se nasce já criando sua estratégia do jogo da vida que tem o seu propósito como objetivo. Ela que dá as cartas que temos nas mãos durante toda vida. Aquele é o nosso jogo por ela selecionada.

Ela também sabe que o processo de separação e formação do EGO faz parte do jogo e não vai se desesperar por causa disso. Antes de você chegar, ela já fez acordos e criou situações que vão se repetir ao longo de toda sua vida com objetivo de te lembrar dela e do seu propósito. São momentos difíceis normalmente porque eles sempre vão de encontro com a personalidade falsa criada pelo EGO.

Enquanto a alma seleciona à partir do ser de luz, aberto, conectado com a unidade da grande Alma que somos com foco no seu propósito, o EGO seleciona à partir dos alicerces da separação, proteção e medo. O EGO passa a criar uma personalidade por demais individualista, que só pensa em si em vários níveis. Que não consegue sequer imaginar uma vida de conexão e abertura. Escolhe focar naquilo que amedronta e assusta e assim se fortalece. Passa a ver o mundo como um lugar ruim, sente pena de si mesmo o tempo todo, considera-se vítima, não se responsabiliza pelos seus atos, não acredita que tem o poder de criar sua realidade, acaba fazendo escolhas baseadas na criação de um mundo fechado à quatro chaves.

As pessoas com o EGO por demais inflado, cheio de ideias, informações e crenças que alimentam a própria ideia do eu, na verdade, são as que mais estão desconectadas de si verdadeiramente. Desenvolveram o que chamamos de personalidade falsa. Elas estão fixadas naquela “ideia” de quem são. E  o EGO continua fazendo mais escolhas e seleções em seu exterior e se construindo. Aquela função primordial de se proteger do sofrimento de uma abertura e confiança plena que pode vir a gerar frustração ao ir de encontro com outros que estão vivendo no EGO, dá lugar então à uma nova função. À função de assumir o controle total sobre a personalidade e descartar a alma.

A diferença são os mecanismos de seleção. Por exemplo:

A pessoa entra para ver um filme em que Aliens invadem a terra para nos presentear com um novo meio de comunicação onde o tempo não é linear. Se essa pessoa está conectada com sua alma e faz parte do seu propósito pensar comunicação ou tempo ou linguagem, ela vai se apaixonar pelo filme, prestar muita atenção, ver novamente, buscar referências. Mas a mesma pessoa, conectada com seu EGO pode ficar com medo dos aliens, ficar lá achando que isso nunca aconteceria, que o nariz novo da atriz não está tão bonito, que a espaço nave é pouco verossímil… O EGO fica tentando se proteger porque sua base é o medo da mudança, do novo, do instável, da abertura. Então qualquer imagem de novidade, de algo que saia da zona de conforto gera medo inconsciente e vai ultimamente cair no mecanismo máximo de defesa do EGO: o #julgamento.

Aquela pessoa tem o mesmo propósito com alma ou com EGO. Mas o EGO já a separou há tanto tempo disso, ela já vive há tantos anos ignorando todos os sinais que se repetem e ela se acha vítima da falta de sorte, está há décadas presa em uma vida na zona de conforto onde seu EGO a mantém protegida que muitas vezes pode até ter a ver um pouco com aquela sua missão. Era pra ser escritora e virou blogueira, era pra ser cozinheira michellin e está fritando batatas no McDonalds, era pra ser pescadora virou surfista… A alma ainda tenta burlar o EGO, a sensação do que fazer segue cheia de ruído mas está lá… Às vezes. Porque outras vezes era pra ser escritora virou bombeira, era pra ser cozinheira virou líder de movimento queer, era pra ser pescadora virou Sea Shepard!

E aí aquelas situações das quais ela se acha vítima, que se repetem sempre começam a se repetir mais rápido e com mais intensidade. Fica presa em dívidas por exemplo. Alimentando seu vazio e desconexão da alma com compras. Aí fica mal um mês e consegue pagar. Daqui a um ano fica pior, leva 6 meses sem sair de casa pra pagar as dívidas. Dali 2 anos, tem que ficar 2 anos presa em casa sem sair pra pagar as dívidas, não consegue nem pagar a televisão pra se distrair. Aí 3 anos, perde sua casa. Vira mendigo. E deve dinheiro pro traficante… Quando essa situação de dívida quer quebrar o EGO que alimenta se vazio e sua persona com compras. Mas a pessoa não entende as mensagens da alma e do Universo que quer sua partezinha livre pra realizar sua função.

Chega no final, o tempo acabou, nada foi realizado… Viveu-se uma vida no alicerce do medo, proteção e fuga. Quando tudo que se precisava fazer era perdoar aqueles EGOs que te frustraram inicialmente e desencadearam a construção do seu EGO. Relaxar, liberar os traumas e abrir o coração. Voltar a se abrir. Parar de focar tanto no “eu” e na separação. Se abrir pro novo, para novas ideias, novas informações que chegam, observar-se, observar o que seus padrões tem pra te ensinar… Tá tudo jogando a favor da sua libertação. É só conseguir tirar a venda do EGO e ver novamente com os olhos da alma.

A Alma Coletiva

Por causa da formação do EGO, nós perdemos o potencial de conexão da alma que é apenas uma pequena partezinha de uma enorme alma. Esta alma é a alma coletiva do planeta terra. Todos os seres humanos são pequenas partezinhas de uma única alma que está viva dentro de nós. Algumas partes dela estão aqui encarnadas, outras estão aguardando seu momento. Algumas vem como ser humanos, outras como árvores, outra como jaguar, outra como aranha, outra como pedra… Ela é uma grande alma que escolhe se separar em pequenos pedaços para se conhecer melhor, ter diversas experiências. Assim como o corpo humano é feito de pequeninas células que trabalham sozinhas porém em equipe.

A Alma coletiva também guarda todas as informações de todas as suas experiências. Enquanto separada, faz essa seleção para se conhecer melhor à partir de suas escolhas individuais, porém quando ela se conecta, ela viveu todas as experiências sem seleção. Tudo que já foi criado, tudo que já foi sentido, tudo que já foi amado ou odiado está neste campo energético que é o campo da terra. Ela sabe de cada movimento que já foi dado desde a primeira célula que surgiu no planeta há milhões de anos atrás.

Além de experiências e conhecimento produzido no passado, a terra guarda sabedorias que estão muito além do nosso conhecimento atual. A terra não tem tempo, não tem linearidade que é uma criação da nossa 3a dimensão do espaço – tempo. Muitas vezes, um campo, mesmo individual humano, pode guardar também experiências futuras. Muitas vezes os planos que temos, nossos sonhos, nossos desejos pro futuro tem a ver com informações no campo que estão nos guiando para aquilo que já está marcado lá – isso é o que alguns chamam de propósito ou destino. A terra também já tem todo seu futuro em seu campo e deseja manifestá-lo, assim como nós desejamos manifestar nosso propósito.

A terra muitas vezes pode guardar sabedoria que não são nem deste planeta porque está se relacionando através do seu campo energético com outros planetas também. Estas informações nos chegam através da astrologia. Se um ser humano único pode ser influenciado pelos planetas, imagina um planeta inteiro. Eles se equilibram e se mantem em posição eternamente. Às vezes um período de transformação de um planeta, inicia uma cadeia de transformação em todos eles. Que é mais ou menos o que estamos passando agora. O Universo inteiro está em transformação, galáxia por galáxia, planeta por planeta, pessoa por pessoa. (Olha que lindo! Você é um agente de transformação do Universo inteiro!)

A sabedoria também vem de outras dimensões. Dimensões onde vivem outros seres como Anjos, Deuses, outras versões de você, outras possibilidades de vida e criação. Dimensões que são regidas por outras leis e por isso, permitem ou não determinados tipos de conhecimento e criação.

Tudo isto está no campo energético da terra onde você vive como um peixe, mergulhado no meio de isso tudo sem ter consciência disso. E com muito pouco acesso a isso, especialmente quando não tem acesso a sua alma devido à forte formação do EGO. A sua alma é uma partezinha desse campo energético e está conectada com ele o tempo todo, porém o EGO não permite mais essa conexão então acabamos nos limitando e limitando nossa capacidade de acesso à essa quantidade de sabedoria que nos rodeia o tempo todo.

A formação do EGO

Tudo que existe é energia e vibração. Algumas vibrações mais densas são a matéria. Uma cadeira é energia muito densa vibrando, o fogo é um tipo de energia menos densa, que se movimenta mas pode ser vista e mantida em um espaço limitado. Energia elétrica, um pouco menos densa, já não pode ser vista em seu estado puro, é necessário um tipo de energia mais densa – um aparelho eletrônico – que a transforme em luz, calor, imagem, som, etc. Menos densas ainda são as energias do sentimento e do pensamento. No caso, os aparelhos transmutadores somos nós que ingerimos energia natural dos alimentos, transmutamos em energia vital no nosso corpo e usamos essa vitalidade para produzir novos tipos de energia como cheiro, voz, música, trabalho, criatividade, amor, raiva, tristeza, ideias, etc. O ser humano é um transmutador natural de energia da natureza em energias do presente.

Os aparelhos eletrônicos e nós, animais, temos isso em comum. Somos ambos transmutadores de energia. Nós, da natureza, os objetos, elétrica (que não deixa de ser energia natural transmutada através de processos tecnológicos – hidrelétrica, eólica, solar, etc.). A diferença porém é que a energia que nós seres humanos transmutamos não é descartada após o uso todas as vezes. Muitas vezes acumulamos experiências, memórias, ideias, projetos, crenças, etc. no nosso campo energético que alguns chamam de aura. Independente da nomenclatura usada, este campo é o nosso HD energético que guarda toda nossa história dessa vida e de vidas passadas. Assumimos aqui que a alma é a energia base de todo ser humano e é eterna, nunca nasceu e nunca morrerá. Esta alma já passou por muitas experiências na sua missão de tornar-se mestre do amor – função de toda alma encarnada no planeta terra. É ela que carrega o HD onde quer que vá. Ele tem toda informação que já o marcou em algum período de tempo em qualquer vida que tenha passado.

Muitas vezes algumas informações neste campo energético influenciam o nosso presente. Crenças ou vidas passadas podem marcar-nos profundamente e passarem a agir como filtros da realidade presente. Se morremos atacados por um enxame de abelhas, podemos nascer novamente com um medo terrível de abelhas sem saber porque. Se desde que somos pequenos fomos criados no paradigma da escassez, os pais estavam sempre lutando por dinheiro e passava-se fome em casa, podemos passar o resto da vida, mesmo tendo muito dinheiro, acreditando que não o temos ou que estamos com fome o tempo todo, mesmo de barriga cheia. Às vezes algum projeto o qual dedicamos uma vida inteira não deu certo, ou morreu-se antes de realiza-lo e por isso, nesta vida, evitamos criar algum projeto próprio para não passar por tamanha frustração novamente. Todo tipo de informação está neste campo, até coisas mais simples como um seriado que se assistiu há 10 anos atrás, a letra de uma música do filme da Disney que se via quando era criança, uma frase injusta de alguém do trabalho, um término de namoro difícil… Tudo fica no campo, criando o que chamamos de personalidade.

A personalidade é o resultado da combinação de todas as informações deste campo energético. A alma é aquela que organiza e seleciona essas informações. Porque uma pessoa pode mudar pra sempre ao ir em um musical na Broadway, decidir tornar-se atriz e jamais retornar para o seu vilarejo enquanto outra pessoa pode ver o mesmo musical e achar monótono? Porque uma pessoa ama comer peixe e outra não pode sentir nem o cheiro? Porque eu vejo um filme e passo a copiar o estilo de uma personagem e outra pessoa vê o mesmo filme e foca na frase engraçada que o ator principal falou? Quem foca, quem faz essa seleção é a alma. É algo que vem de dentro. O que te toca, normalmente é o que toca a alma. A alma então vai selecionando o que guardar e o que deve ser você, a personalidade que vai ser uma interpretação dessas informações durante essa vida.

É claro que esse processo tem seus desequilíbrios, que chamamos de EGO. O EGO é uma barreira que vai se desenvolvendo ao longo da vida. Ele nasce como uma proteção por causa de traumas. Quando somos crianças, praticamente tudo que somos é alma, a personalidade ainda não se formou – ela passa a vida toda se formando e transformando de acordo com novas seleções da alma. A alma está sempre muito aberta para qualquer experiência, ela está aqui para isso, experimentar. Só que, muitas vezes, essa abertura esbarra na separação do outro. Sentimos dor, frustração e sofrimento quando mergulhamos de cabeça em alguma experiência e por causa disso começamos a desenvolver a separação, o EGO. A ideia de “eu”. Quem sou eu e quem é o outro. Nós não somos conectados, eu não entendo o outro, eu não sei o que o outro está pensando, eu me fecho aqui dentro do meu mundo para tentar prever e evitar qualquer situação de sofrimento que a minha abertura natural pode provocar. Até que chega a um ponto que estou totalmente seguro porque não tenho mais nenhuma abertura natural, abri mão de toda minha espontaneidade para não mais sofrer. É um ciclo vicioso porque o EGO está na verdade fazendo uma escolha por um sofrimento maior – a dor da separação. Do outro e de sua alma.

O EGO então, quando bem formado, passa a assumir o papel da alma e começa ele a fazer as seleções do que deve ser focado e guardado. Passa a ser o criador da personalidade. A personalidade passa a tomar pra si essa necessidade de separação do outro como sua base, toma para si o medo do sofrimento, a ameaça do outro como alicerce de todas suas outras características porque estes são os alicerces do EGO. E assim novas informações vão sendo guardadas neste campo energético, gerando novos filtros para a realidade presente. A personalidade se afasta profundamente da alma e uma dor sutil acompanhará toda sua vida sem que ela saiba o que é.

E assim nos separamos da nossa alma por toda uma vida se não tivermos o privilégio de tomarmos consciência desse processo em algum momento.

Ela foi mesmo 2.0

Me mudei pros United States of America em pleno governo Trump.

Forgiveness is the Shield of the Heart

Me apaixonei por um menino de 21 anos. Nós dois morávamos e trabalhávamos no mesmo Backpacker na África do Sul – Mantis & Moon, Surf and Yoga Camp. Éramos os bartenders de um dos maiores party hostels que já pisei. Todos os dias eram festas enlouquecidas, meninas nuas na jacuzzi, homens sem camisa na pista, todos de roupa na piscina, gringos caídos pelos caminhos de madeira no meio da selva, vizinhos chamando a polícia… E a gente lá, servindo, tocando, dançando, se esbarrando…

Sei que numa dessas noites embriagadas, dormimos juntos! Nada demais… Mas eu logo me apaixono. Ainda tenho tendências imaturas quando entramos no assunto relacionamentos. Há 5 anos não namoro então parece que parei no meu último relacionamento – eu tinha 24 anos! De lá pra cá parece que as regras todas mudaram e eu não sei mais brincar. Não é por acaso que atraí um menino de 21 anos né? Tô nessa idade afetiva ainda…

Sei que, ele não quis mais nada comigo. E eu entendi. Quanto mais vou entrando pra cura do sagrado feminino, menos me posso dar ao luxo de entender esse tipo de comportamento mas a culpada fui eu que só vejo luz quando escolho só ver a luz e ignoro qualquer dica de que não vai dar certo. Então eu entendi. Aceitei seguir amigos mas não deixava de sempre comentar sobre meus sentimentos reprimidos com as meninas (minhas amigas!) que moravam e trabalhavam conosco. Eu dividia quarto com uma holandesa e uma grega.

Até que no dia do aniversário da holandesa – que dormia na cama de cima da minha beliche – era aniversário dele também e os dois fizeram uma festa conjunta. E se pegaram. Na minha frente. Depois foram pro meu quarto, transar na minha cama. E eu entrei no quarto na hora. Saí, respirei. Entrei de novo tocando o caralho.

No dia seguinte parti daquele lugar. Em um processo super impulsivo que me ensinou muito muito muito de mim mesma.

Pra começar, minha tendência de abandonar. Porque tenho registros de abandono da parte do meu pai, normalmente quando quero magoar, me vingar, dar aquela ferroada esperta do escorpião, a minha técnica usada é o abandono. Porque é a pior coisa que já fizeram comigo e eu quero fazer essa pior coisa com os outros. Só que essa tendência a abandonar muitas vezes me afeta mais do que qualquer outra pessoa. Já saí de processos tão intensos antes do fim porque fui magoada e queria me vingar. Já saí de relações, de amizades, de faculdades, de projetos, de grupos políticos, de empregos, de lugares queridos… É um padrão meu que estou agora no foco de curar.

Como cura? Parando de abandonar. Como será isso? Não faço ideia. Vou tentar começar agora. Trago relatos no futuro!

Mas esse abandono específico foi o primeiro a me trazer consciência de um padrão. Então já valeu! É o início da cura e da mudança consciente.

Voltando pra história, sei que fui para em Coffee Bay, sozinha, em outro party hostel. Mas odiei! E comecei a sentir minha energia mudar, minha frequência baixar, meu estado se alterar. Não queria falar com ninguém, não queria mais me abrir, não queria mais fazer amizade, não tinha nada pra celebrar… Eis que percebi que ia perder tudo o que curei no Mantis que foi tudo a ver com abertura e confiança na bondade do outro.

A única maneira de proteger meu coração e minha cura era… advinha… perdoar. Forgiveness is the shield of the heart. Foi nesse dia que o mar me ensinou que o perdão é o escudo do coração. Somente com o perdão ele não se machuca. As coisas difíceis vem e vão mas se perdoamos elas não afetam nossa capacidade de amar. A falta de perdão não estava afetando ninguém além de mim mesma que ia perder curas e qualidade energética. Ia ficar presa em pensamentos negativos e tristezas desimportantes durante toda vida talvez?

E aí entramos no perdão hein. Como é difícil. Uma arte ainda não totalmente dominada por mim mas tenho me aproximado cada vez mais dela. Perdoar é não esperar nenhum tipo de retaliação ou reparação pelo acontecido. Perdoar é não é fingir que nunca aconteceu, é lembrar mas simplesmente não esperar nenhuma compensação, vingança ou até mesmo pedido de desculpas. É simplesmente deixar ir, deixar passar… Não é humilhante. É nobre. É simples. É humilde. E, acima de tudo, é por você mesmo. É para que você não sofra. Não tem nada a ver com o outro.

Levou alguns dias pro meu coração perdoar mesmo mas desde o momento que o mar me ensinou, boom, um alívio enorme e já senti todas as energias negativas aos poucos me deixarem. Ainda me levou mais de um mês pra ele abrir de novo. Mas seguiu bem menos fechado do que estava quando cheguei no Mantis então a cura permaneceu apenas pra ser fortalecida por esse processo e outros que passei nesse mês.

Viu como de uma experiência simples de um moleque e uma amiga traíra dá para aprender lições maravilhosas que mudam as nossas vidas pra sempre? É só não resistir, não entrar nesse estado permanente de luta com a vida. Aceita que dói menos. E acredita: sempre tem um aprendizado importante. Sempre.

Fazer o quê na cidade grande?

04:55 da manha. Cidade grande, Rio de Janeiro. Cheia de energia pra ir viver de verdade e nada pra fazer que seja real. Parece que aqui a opção é comer, beber, ver televisão, encontrar com os velhos e repetitivos conhecidos para aqueles velhos e repetitivos papos. Nada me excita. Onde está a aventura? O desafio? O espaço seguro para explorar o desconhecido? Onde está a floresta?

Quase tudo na cidade se resume à experiência de consumo ou trabalho. Tudo fica longe e para ir de um lugar ao outro, tem que pagar. Pode ser ônibus, metrô, Uber ou táxi mas tem que pagar. Para se exercitar – ou se mora perto da praia e se paga o IPTU caro ou tem que pagar a academia, a Yoga, o Muay Thai, o Judô… Para se relacionar, tem que ir pro bar, comprar um vinho e ficar em casa, sair pra jantar, tem que pagar. Pra se distrair, ver televisão e entrar em contato direto com o programa do paradigma atual sendo implantado a cada fala, o que vai te dar vontade de sair e consumir, ou seja, pagar.

Pode-se ler se é que ainda tem-se espaço pra isso na mente embriagada pelos carboidratos e barulho incessante dos arredores. Não existe um minuto de silêncio na cidade, nem pagando. E quem tem tempo de ler quando a vida tornou-se a experiência de consumo? Não é interessante para o sistema que você fique em casa lendo (mesmo tendo comprado o livro). 1. Você estará se educando; 2. Estará gastando tempo precioso em que poderia estar consumindo.

É caro demais pra morar. E pra viver. O que te obriga a trabalhar cada vez mais pra sustentar esse estilo de vida.

O chão é de concreto. Não há um espaço para tocar os pés na terra e descarregar energia. E não quero nem entrar no assunto energético da cidade grande com seus acessos de negatividade compartilhada, greves, protestos, reclamação coletiva constante, falta de amorosidade, medo do outro, distância afetiva em geral e rituais desprotegidos de Ayauaska semanais.

Na cidade pequena, as pessoas se olham nos olhos e se cumprimentam ao passar umas pelas outras. Todos os dias de manha, pode-se exercitar na floresta, com pés no chão, mergulhando na cachoeira e acordando o corpo. Vai-se a pé pro trabalho. O trabalho é tranquilo. O aluguel é barato. Os amigos são muitos. Parece que todos nós temos um segredo: nós largamos a cidade e somos muito mais felizes aqui. Descobrimos o que nos fazia sofrer tanto. Um brinde.

Aqui é silencioso. Tem espaço pra ler, escrever, pensar, meditar, refletir, amar, ajudar, cozinhar no forno, se espiritualizar, se curar, descansar e até trabalhar bastante se for o caso. Uma coisa é trabalhar 8 horas por dia, sendo um escravo do consumo. Outra coisa é trabalhar 8 horas por dia quando se aproveitou em paz e equilíbrio as outras 8!

A cidade grande é um zoológico. Que atrai cada vez mais pessoas que acreditam que vão encontrar felicidade, oportunidade, crescimento, fama… O próprio capital demanda o acúmulo de muitas pessoas nas zonas urbanas para facilitar a exploração da mão de obra mas a maneira que elas chegam aqui nunca é porque o capital precisa. É porque elas são manipuladas a acreditar que aqui vai ser melhor. Enquanto quem aqui nasce é manipulado a acreditar que a vida no interior nunca será tão boa quanto a vida na cidade. Se viciam em sua experiência de consumo que tomam por vida e assim ela passa…

Mas alguns acordam. Alguns desconfiam. Alguns sentem que a vida é mais que isso e embarcam em uma busca que, se tiverem sorte e dharma, ultimamente os levará para a natureza, a comunidade e a experiência de vida.

Fazer o que na cidade grande? 05:15. Acho que vou ter que escrever outro texto…