Fora do Normal

Às vezes alguém do nosso convívio se comporta de maneira “fora do normal” – diferente daquela que nos falaram a vida inteira que era a correta. A pessoa é tão verdadeira que parece até um desrespeito aos bons modos com que fomos criados. Esse comportamento estranho pode provocar reações diversas, isso significa que alguma coisa está se movimentando dentro de nós.

Toda reação pressupõe algum tipo de identificação interna consciente ou não. Quando ela é consciente, sentimos emoções positivas: admiração, alegria, interesse, alívio, relaxamento, tesão… Ou caímos na inveja, a polaridade negativa da admiração. Quando a identificação é inconsciente, está nas sombras, nos deparamos com a resistência. Por algum motivo não queremos ver aquela parte nossa e por isso sentimos raiva, ódio, incômodo, angústia e agonia.

Em ambos os casos, nos deparamos com uma oportunidade rara de autoconhecimento. Mas quando estamos nas sombras, sentindo tantas emoções negativas, essa oportunidade parece ser ainda mais valiosa porque temos a chance de descobrir algo sobre nós mesmos que não sabíamos e iluminar uma partezinha que estava ali nas sombras gerando sofrimento. Ou seja, temos a oportunidade de ser mais felizes!

O problema é que a grande maioria de nós não faz essa reflexão interna, não trás pra si a responsabilidade sobre os seus próprios sentimentos, não se volta pra dentro. E acaba optando por projetar a resistência em cima da pessoa que está agindo de maneira diferente. Projeta o incômodo, a raiva, a falta de amor em cima do outro e, como uma maneira de se defender de si mesmo e evitar esse aprofundamento, acaba atacando a pessoa. Xinga, grita, faz fofoca, se revolta contra aquela presença. Quer destruí-la de alguma maneira para que essa resistência e esse incômodo interno cesse.

Sem ter consciência de que ela nada tem a ver com aquela agressão, a pessoa acaba tomando pra si aquela culpa, comprando algum tipo de briga irrelevante, caindo em uma armadilha das sombras do outro. Muitas vezes ela  nem percebe que está provocando resistências até que seja tarde demais. E assim vamos destruindo nossas relações e nos afastando do caminho do amor, gerando mais separação e sofrimento no mundo.

A pessoa agredida deve permitir que a briga externa perca força e rezar para que a pessoa incomodada parta pra sua verdadeira briga que é consigo mesma. As chaves aqui são a auto responsabilidade e a empatia – a capacidade de se colocar no lugar do outro, no contexto do outro e sentir-se no mesmo barco. Cada um de nós está passando por um processo que o outro nem imagina. Nosso instinto natural, infelizmente, ainda é o de reprimir estes processos, reprimir o outro para que ele se encaixe no que nós acreditamos ser aceitável. E assim reprimimos os processos de libertação alheio. A pessoa é livre demais, verdadeira demais, emocional demais, autêntica demais… Porque isso te agride? O que em você está de menos? Onde você está se reprimindo e, por isso, sentindo a necessidade de reprimir e repreender?

E no final das contas, não é sempre que alguém diferente passa pelas nossas vidas, nos tirando da nossa zona de conforto. Aproveite essa janela para se conhecer melhor e ser mais feliz! Escolha a luz!

Leave a Reply

Your email address will not be published.