A formação do EGO

Tudo que existe é energia e vibração. Algumas vibrações mais densas são a matéria. Uma cadeira é energia muito densa vibrando, o fogo é um tipo de energia menos densa, que se movimenta mas pode ser vista e mantida em um espaço limitado. Energia elétrica, um pouco menos densa, já não pode ser vista em seu estado puro, é necessário um tipo de energia mais densa – um aparelho eletrônico – que a transforme em luz, calor, imagem, som, etc. Menos densas ainda são as energias do sentimento e do pensamento. No caso, os aparelhos transmutadores somos nós que ingerimos energia natural dos alimentos, transmutamos em energia vital no nosso corpo e usamos essa vitalidade para produzir novos tipos de energia como cheiro, voz, música, trabalho, criatividade, amor, raiva, tristeza, ideias, etc. O ser humano é um transmutador natural de energia da natureza em energias do presente.

Os aparelhos eletrônicos e nós, animais, temos isso em comum. Somos ambos transmutadores de energia. Nós, da natureza, os objetos, elétrica (que não deixa de ser energia natural transmutada através de processos tecnológicos – hidrelétrica, eólica, solar, etc.). A diferença porém é que a energia que nós seres humanos transmutamos não é descartada após o uso todas as vezes. Muitas vezes acumulamos experiências, memórias, ideias, projetos, crenças, etc. no nosso campo energético que alguns chamam de aura. Independente da nomenclatura usada, este campo é o nosso HD energético que guarda toda nossa história dessa vida e de vidas passadas. Assumimos aqui que a alma é a energia base de todo ser humano e é eterna, nunca nasceu e nunca morrerá. Esta alma já passou por muitas experiências na sua missão de tornar-se mestre do amor – função de toda alma encarnada no planeta terra. É ela que carrega o HD onde quer que vá. Ele tem toda informação que já o marcou em algum período de tempo em qualquer vida que tenha passado.

Muitas vezes algumas informações neste campo energético influenciam o nosso presente. Crenças ou vidas passadas podem marcar-nos profundamente e passarem a agir como filtros da realidade presente. Se morremos atacados por um enxame de abelhas, podemos nascer novamente com um medo terrível de abelhas sem saber porque. Se desde que somos pequenos fomos criados no paradigma da escassez, os pais estavam sempre lutando por dinheiro e passava-se fome em casa, podemos passar o resto da vida, mesmo tendo muito dinheiro, acreditando que não o temos ou que estamos com fome o tempo todo, mesmo de barriga cheia. Às vezes algum projeto o qual dedicamos uma vida inteira não deu certo, ou morreu-se antes de realiza-lo e por isso, nesta vida, evitamos criar algum projeto próprio para não passar por tamanha frustração novamente. Todo tipo de informação está neste campo, até coisas mais simples como um seriado que se assistiu há 10 anos atrás, a letra de uma música do filme da Disney que se via quando era criança, uma frase injusta de alguém do trabalho, um término de namoro difícil… Tudo fica no campo, criando o que chamamos de personalidade.

A personalidade é o resultado da combinação de todas as informações deste campo energético. A alma é aquela que organiza e seleciona essas informações. Porque uma pessoa pode mudar pra sempre ao ir em um musical na Broadway, decidir tornar-se atriz e jamais retornar para o seu vilarejo enquanto outra pessoa pode ver o mesmo musical e achar monótono? Porque uma pessoa ama comer peixe e outra não pode sentir nem o cheiro? Porque eu vejo um filme e passo a copiar o estilo de uma personagem e outra pessoa vê o mesmo filme e foca na frase engraçada que o ator principal falou? Quem foca, quem faz essa seleção é a alma. É algo que vem de dentro. O que te toca, normalmente é o que toca a alma. A alma então vai selecionando o que guardar e o que deve ser você, a personalidade que vai ser uma interpretação dessas informações durante essa vida.

É claro que esse processo tem seus desequilíbrios, que chamamos de EGO. O EGO é uma barreira que vai se desenvolvendo ao longo da vida. Ele nasce como uma proteção por causa de traumas. Quando somos crianças, praticamente tudo que somos é alma, a personalidade ainda não se formou – ela passa a vida toda se formando e transformando de acordo com novas seleções da alma. A alma está sempre muito aberta para qualquer experiência, ela está aqui para isso, experimentar. Só que, muitas vezes, essa abertura esbarra na separação do outro. Sentimos dor, frustração e sofrimento quando mergulhamos de cabeça em alguma experiência e por causa disso começamos a desenvolver a separação, o EGO. A ideia de “eu”. Quem sou eu e quem é o outro. Nós não somos conectados, eu não entendo o outro, eu não sei o que o outro está pensando, eu me fecho aqui dentro do meu mundo para tentar prever e evitar qualquer situação de sofrimento que a minha abertura natural pode provocar. Até que chega a um ponto que estou totalmente seguro porque não tenho mais nenhuma abertura natural, abri mão de toda minha espontaneidade para não mais sofrer. É um ciclo vicioso porque o EGO está na verdade fazendo uma escolha por um sofrimento maior – a dor da separação. Do outro e de sua alma.

O EGO então, quando bem formado, passa a assumir o papel da alma e começa ele a fazer as seleções do que deve ser focado e guardado. Passa a ser o criador da personalidade. A personalidade passa a tomar pra si essa necessidade de separação do outro como sua base, toma para si o medo do sofrimento, a ameaça do outro como alicerce de todas suas outras características porque estes são os alicerces do EGO. E assim novas informações vão sendo guardadas neste campo energético, gerando novos filtros para a realidade presente. A personalidade se afasta profundamente da alma e uma dor sutil acompanhará toda sua vida sem que ela saiba o que é.

E assim nos separamos da nossa alma por toda uma vida se não tivermos o privilégio de tomarmos consciência desse processo em algum momento.

Leave a Reply

Your email address will not be published.