Forgiveness is the Shield of the Heart

Me apaixonei por um menino de 21 anos. Nós dois morávamos e trabalhávamos no mesmo Backpacker na África do Sul – Mantis & Moon, Surf and Yoga Camp. Éramos os bartenders de um dos maiores party hostels que já pisei. Todos os dias eram festas enlouquecidas, meninas nuas na jacuzzi, homens sem camisa na pista, todos de roupa na piscina, gringos caídos pelos caminhos de madeira no meio da selva, vizinhos chamando a polícia… E a gente lá, servindo, tocando, dançando, se esbarrando…

Sei que numa dessas noites embriagadas, dormimos juntos! Nada demais… Mas eu logo me apaixono. Ainda tenho tendências imaturas quando entramos no assunto relacionamentos. Há 5 anos não namoro então parece que parei no meu último relacionamento – eu tinha 24 anos! De lá pra cá parece que as regras todas mudaram e eu não sei mais brincar. Não é por acaso que atraí um menino de 21 anos né? Tô nessa idade afetiva ainda…

Sei que, ele não quis mais nada comigo. E eu entendi. Quanto mais vou entrando pra cura do sagrado feminino, menos me posso dar ao luxo de entender esse tipo de comportamento mas a culpada fui eu que só vejo luz quando escolho só ver a luz e ignoro qualquer dica de que não vai dar certo. Então eu entendi. Aceitei seguir amigos mas não deixava de sempre comentar sobre meus sentimentos reprimidos com as meninas (minhas amigas!) que moravam e trabalhavam conosco. Eu dividia quarto com uma holandesa e uma grega.

Até que no dia do aniversário da holandesa – que dormia na cama de cima da minha beliche – era aniversário dele também e os dois fizeram uma festa conjunta. E se pegaram. Na minha frente. Depois foram pro meu quarto, transar na minha cama. E eu entrei no quarto na hora. Saí, respirei. Entrei de novo tocando o caralho.

No dia seguinte parti daquele lugar. Em um processo super impulsivo que me ensinou muito muito muito de mim mesma.

Pra começar, minha tendência de abandonar. Porque tenho registros de abandono da parte do meu pai, normalmente quando quero magoar, me vingar, dar aquela ferroada esperta do escorpião, a minha técnica usada é o abandono. Porque é a pior coisa que já fizeram comigo e eu quero fazer essa pior coisa com os outros. Só que essa tendência a abandonar muitas vezes me afeta mais do que qualquer outra pessoa. Já saí de processos tão intensos antes do fim porque fui magoada e queria me vingar. Já saí de relações, de amizades, de faculdades, de projetos, de grupos políticos, de empregos, de lugares queridos… É um padrão meu que estou agora no foco de curar.

Como cura? Parando de abandonar. Como será isso? Não faço ideia. Vou tentar começar agora. Trago relatos no futuro!

Mas esse abandono específico foi o primeiro a me trazer consciência de um padrão. Então já valeu! É o início da cura e da mudança consciente.

Voltando pra história, sei que fui para em Coffee Bay, sozinha, em outro party hostel. Mas odiei! E comecei a sentir minha energia mudar, minha frequência baixar, meu estado se alterar. Não queria falar com ninguém, não queria mais me abrir, não queria mais fazer amizade, não tinha nada pra celebrar… Eis que percebi que ia perder tudo o que curei no Mantis que foi tudo a ver com abertura e confiança na bondade do outro.

A única maneira de proteger meu coração e minha cura era… advinha… perdoar. Forgiveness is the shield of the heart. Foi nesse dia que o mar me ensinou que o perdão é o escudo do coração. Somente com o perdão ele não se machuca. As coisas difíceis vem e vão mas se perdoamos elas não afetam nossa capacidade de amar. A falta de perdão não estava afetando ninguém além de mim mesma que ia perder curas e qualidade energética. Ia ficar presa em pensamentos negativos e tristezas desimportantes durante toda vida talvez?

E aí entramos no perdão hein. Como é difícil. Uma arte ainda não totalmente dominada por mim mas tenho me aproximado cada vez mais dela. Perdoar é não esperar nenhum tipo de retaliação ou reparação pelo acontecido. Perdoar é não é fingir que nunca aconteceu, é lembrar mas simplesmente não esperar nenhuma compensação, vingança ou até mesmo pedido de desculpas. É simplesmente deixar ir, deixar passar… Não é humilhante. É nobre. É simples. É humilde. E, acima de tudo, é por você mesmo. É para que você não sofra. Não tem nada a ver com o outro.

Levou alguns dias pro meu coração perdoar mesmo mas desde o momento que o mar me ensinou, boom, um alívio enorme e já senti todas as energias negativas aos poucos me deixarem. Ainda me levou mais de um mês pra ele abrir de novo. Mas seguiu bem menos fechado do que estava quando cheguei no Mantis então a cura permaneceu apenas pra ser fortalecida por esse processo e outros que passei nesse mês.

Viu como de uma experiência simples de um moleque e uma amiga traíra dá para aprender lições maravilhosas que mudam as nossas vidas pra sempre? É só não resistir, não entrar nesse estado permanente de luta com a vida. Aceita que dói menos. E acredita: sempre tem um aprendizado importante. Sempre.

Leave a Reply

Your email address will not be published.